Brasil alcança recorde em Salt Lake à custa de dívida

Bobsled obtém vaga inédita, e país terá 8 atletas nos Jogos de Inverno

CRISTIANO CIPRIANO POMBO
EDUARDO OHATA
DA REPORTAGEM LOCAL

À custa de uma dívida pessoal de R$ 70 mil, o Brasil assegurou duas conquistas inéditas em Jogos de Inverno: levará a Salt Lake-2002 o maior grupo de atletas de sua história e pela primeira vez classificou um esporte coletivo.
Tais feitos foram obtidos no último final de semana, durante a Copa das Américas, em Lake Placid (EUA), quando a equipe de bobsled assegurou cinco vagas e fez com que o grupo brasileiro atingisse o número de oito atletas já confirmados para Salt Lake -o recorde anterior era de sete atletas, em Albertville-92, no Canadá.
Para a equipe de bobsled (modalidade trenó no gelo) participar das seletivas olímpicas, Eric Maleson, 34, presidente da Associação Brasileira de Bobsled, Skeleton e Luge e líder do grupo, acumulou uma dívida de R$ 71 mil, em compromissos referentes a passagens aéreas, hospedagens e até um empréstimo em dinheiro da Federação Internacional de Bobsled.
""Devo para uma operadora de turismo, que adiantou as passagens. Nos hotéis, tive de explicar que somos atletas, e eles deixaram pagar depois. E consegui um dinheiro da federação [internacional"", lamentou Maleson. ""Agora espero pagar tudo com uma verba do Ministério do Esporte [de R$ 71 mil", que havia sido prometida, mas ainda não foi liberada. Disseram que o responsável pela liberação está de férias."
A alegação da Secretaria Nacional do Esporte para a demora no repasse da verba, que se arrasta desde setembro, deve-se ao atraso na prestação de contas da ABBSL.
A equipe do bobsled, chamada no exterior de ""Carnaval no Gelo", retorna ao Brasil nesta semana em busca de patrocinadores. Depois, vai para Calgary, no Canadá, treinar um dos fundamentos mais importantes, a largada.
Para Maleson, que passa metade do ano fora do Brasil -onde encontra melhores condições para os treinamentos-, somente o fato de o Brasil competir em Salt Lake já constitui uma vitória.
""Não digo para agora, mas mais para a frente, nos Jogos de Inverno de 2010, teremos condições de lutar por uma medalha. Só para ter uma idéia, conseguimos nos classificar e a Jamaica [no trenó de quatro pessoas" até agora não, só no de duas pessoas", comparou o dirigente e atleta, em alusão ao filme ""Jamaica Abaixo de Zero".
Outra representante do Brasil nos Jogos, Mirella Arnhold, do slalom gigante, tem outra opinião. ""Os outros países, como os europeus, por exemplo, são muito mais fortes do que nós. Nosso objetivo é competir com países de nossa região, como Chile e Argentina [que contam com neve"."
Após ficar fora dos Jogos de Nagano-98, pois a ABBSL não era reconhecida pelo COB (Comitê Olímpico Brasileiro), Maleson, além de participar de sua primeira Olimpíada de Inverno, será o primeiro brasileiro a carregar a tocha olímpica. No próximo dia 26, o atleta, que mora em Boston (EUA), conduzirá a chama em um trecho da cidade dos EUA.