TERRORISMO

Após ataques, futebol americano, beisebol e Nascar perdem, só hoje, US$ 77 milhões com venda de ingressos

Paralisação nos esportes faz EUA somarem prejuízos
PAULO COBOS
DA REPORTAGEM LOCAL

Os aviões que derrubaram o World Trade Center e danificaram o Pentágono fizeram o que nem feriados como Natal e Ano Novo conseguem -parar a máquina de fazer dinheiro que é o esporte nos Estados Unidos.
O terrorismo vai deixar o domingo dos americanos sem esporte e um prejuízo que pode bater nos US$ 77 milhões em ingressos apenas em um dia nas três principais modalidades que tiveram eventos adiados ou cancelados no país.
Quem vai sentir o maior baque é a NFL, a milionária liga profissional de futebol americano, que adiou toda a sua rodada deste final de semana, que deve ser cancelada de forma definitiva.
Com grandes estádios e ingressos dos mais caros, o esporte vai ter um prejuízo, segundo levantamento feito pela Folha, de quase US$ 50 milhões apenas hoje.
Para isso, foi levado em conta a média de público recente e o preço dos ingressos cobrados pelos times que hospedariam jogos na rodada, a segunda da edição 2001.
Como comparação, todo o módulo principal da Copa João Havelange de futebol do ano passado e as finais arrecadaram por volta de US$ 10 milhões.
O time do futebol americano que vai ficar com o maior buraco nas contas é justamente os Redskins, de Washington, cidade que teve o Pentágono, em suas cercanias, atacado pelos terroristas.
Como vende em média 82.074 entradas para seus jogos com um preço médio de US$ 82, o time vai deixar de ganhar hoje, quando enfrentaria o Arizona Cardinals, cerca de US$ 6,730 milhões.
Com a venda de suvenires, bebidas e alimentos, o time arrecada quase o mesmo valor.
Sem entradas tão caras e com estádios não tão cheios, a liga profissional de beisebol vai perder, novamente considerando o preço médio das entradas e do público dos times caseiros, cerca de US$ 7 milhões neste domingo.
Em compensação, o esporte, que tem rodadas diárias, não realiza jogos desde a terça-feira passada, quando foram efetuados os ataques com os aviões em Nova York e Washington.
No caso do beisebol, uma das quatro equipes com maior prejuízo serão os Mets, de Nova York, que vão deixar de faturar hoje US$ 715 mil na bilheteria.
Nas corridas de automóveis, o domingo também vai ser sem atividades e com prejuízos.
A Nascar, modalidade mais popular do automobilismo dos EUA, adiou hoje a etapa de New Hampshire, que já tinha quase todos os 101 mil ingressos vendidos.
Caso não se interessem pela nova data da corrida, em novembro, os fãs podem exigir o dinheiro de volta, causando um prejuízo que pode alcançar os US$ 20 milhões para os organizadores.

Emissoras do segmento ficam sem opções
DA REPORTAGEM LOCAL

Não é só o bolso dos donos das equipes profissionais que vai sofrer com as atividades paralisadas do esporte norte-americano.
Emissoras de televisão, principalmente as especializadas em esporte, tem um leque muito reduzido de opções para transmitir.
Hoje, por exemplo, a ESPN dos EUA só irá passar noticiários e documentários sobre as campanhas de cada equipe da liga de futebol americano no ano passado.
Mas é amanhã que o terrorismo mais vai atrapalhar o esporte na televisão norte-americana. Assim como o resto da rodada da liga, o jogo isolado da NFL que acontece na segunda-feira à noite, o evento esportivo com maior audiência histórica no país, não será realizado.
Assim, a ABC, que tem os direitos de transmissão desse evento, terá que reembolsar de alguma forma os anunciantes que já haviam pago por um dos espaços mais caros da televisão. (PC)