Timão, que já mira sucesso inédito

16/01/2009

Leandro Canônico e Carlos Augusto Ferrari

globoesporte.com.br

Em apenas 23 dias do mês de dezembro, clube vendeu 2.500 camisas do craque e já sonha com recebimento de royalties da fornecedora de material

Uma das missões de Ronaldo no Corinthians é conseguir, por conta da sua imagem, dois contratos de patrocínio (manga e calção). Até porque é daí que sairá a maior parte da sua remuneração. Só que até agora nenhum acordo foi fechado. Nem mesmo o principal da camisa alvinegra. Ao menos, o departamento de marketing espera conseguir com o atacante, enfim, receber royalties na temporada 2009.

Durante os três primeiros anos de vínculo (2006, 2007 e 2008) com a atual fornecedora de material esportivo, a Nike, as vendas de produtos licenciados do Timão não superaram o valor estipulado em contrato para que o clube recebesse royalties, pago para o dono da marca explorada comercialmente. No ano passado, por conta de várias ações, o Alvinegro chegou bem perto de superar a meta.

A expectativa do clube nesta temporada é otimista porque somente em dezembro, durante 23 dias (contando do anúncio da contratação de Ronaldo, no dia 9), foram comercializadas 2.500 camisas do Fenômeno, apenas nas lojas oficiais no Parque São Jorge e em Itaquera. Como cada camisa custa R$ 139,90, o valor gerado nesse curto período foi de R$ 349.750,00.

Esse valor é bem baixo perto dos quase R$ 28,5 milhões que as vendas precisam superar para que o Corinthians receba 20% de royalties sobre o excedente. Mas a confiança dos dirigentes é baseada nas ações de marketing que estão sendo planejadas, em outros produtos que não sejam camisas e também no bom rendimento de Ronaldo, assim como nas campanhas do time nas competições.  

- Nós achamos, junto com a nossa fornecedora de material esportivo, que, com o Ronaldo e outras ações de marketing que estamos pensando, podemos superar o valor do ano passado e ainda conseguir receber royalties - declarou Caio Campos, gerente de marketing do clube do Parque São Jorge.

Independentemente de a comercialização de produtos superar esse valor para o recebimento de royalties, o clube tem uma garantia mínima, que é paga pela fornecedora todos os anos. Portanto, R$ 5 milhões, na pior das hipóteses, estão assegurados.

Em 2008, foram vendidos aproximadamente 510 mil produtos licenciados do Corinthians (as camisas oficiais representam perto de 90% do total), o que gerou uma receita de R$ 25 milhões para a Nike. Era preciso mais uns 60 mil objetos comercializados para que o Timão entrasse na faixa do recebimento de royalties.

- Ainda não sabemos ao certo o quanto podemos crescer, em termos de números e porcentagens, porque isso depende muito do resultado da equipe - completou Caio.