Guga em Sacre Coeur: 'O coração bateu forte'


Foi assim que o brasileiro explicou sua escolha pelas escadarias da igreja em Montmartre como cenário para suas fotos com o troféu que conquistou este ano em Roland Garros

Gustavo Kuerten marcou encontro ontem em frente à igreja de Sacre Coeur, em Paris, para mostrar seu terceiro troféu conquistado em Roland Garros.

Fotógrafos e cinegrafistas de várias partes do mundo tumultuaram as escadarias da igreja e atraíram uma aglomeração de turistas. Guga chegou de camisa branca, calça escura e tênis preto com seguranças e acompanhado da família - a mãe Alice, o irmão Rafael e a cunhada Letícia. A igreja fica em um ponto alto da região norte de Paris, no fim de uma longa escadaria, de onde se tem uma visão privilegiada da cidade.

Depois de uns 15 minutos de poses e flashes, Guga disse que está voltando para o Brasil para pôr sandália, shorts e passar longas horas com os amigos.

Falou que escolheu a igreja para as fotos porque seu coração em Paris bateu forte "como o de todo mundo".

No ano passado, Gua havia posado perto da Torre Eiffel. Desta vez, por duas vezes desenhou um coração na quadra para agradecer à torcida.

"Tenho de fazer esse ritualzinho sempre que ganho aqui. Foi difícil chegar ao topo e nada melhor que aqui para comemorar", afirmou.

E fez menção às artes plásticas porque Montmartre é a região preferida por artistas. "Já passei por aqui, tenho boas recordações deste lugar, já comprei uns quadrinhos. Minha mãe e meu irmão conhecem quase toda Paris."

Guga completará 21 semanas como número 1 do mundo. Está longe do norte-americano Pete Sampras, que tem o recorde de 285 semanas no topo da classificação. O checo Ivan Lendl é o segundo - ficou 270 semanas como número 1. Depois vem o norte-americano Jimmy Connors, com 268. Mas a marca de Guga é a melhor de um sul-americano.


Nos jornais

O jornal L'Équipe deu duas páginas sobre Guga ontem. Em uma o título era "Tirando o chapéu para Guga". Abaixo, uma foto grande, com o tenista saltando na quadra e um chapéu voando em sua direção. O jornal chamou o brasileiro de "Tiranossauro Rex" do tênis.

O El País, da Espanha, exaltou a supremacia do brasileiro em Paris. E faz um perfil sob o título "Um violão e uma caipirinha", contando a história da infância de Guga até seu sucesso atual.

Os contratos de patrocínio de Guga, estimados em US$ 5 milhões ao ano com a Diadora, Banco do Brasil, Head, Globo.com e Motorola, são reajustados de acordo com seu desempenho nos torneios.


Faturamento

Ontem pela manhã, enquanto os estandes eram desmontados, Christian Bimes, o presidente do torneio de Roland Garros, fez um balanço do torneio deste ano.

Só em bilheteria o faturamento foi de 348 milhões de francos (US$ 49 milhões) em 15 dias de competição. De direitos de tevê, foram negociados 260 milhões (US$ 37 milhões), com 81 horas de transmissão apenas na França. A grife Roland Garros, que vai de perfumes a roupas, bolsas, bolinhas de tênis e toalhas, comercializou 40 milhões (US$ 5,7 milhões). Ao todo, 390.172 pessoas assistiram aos jogos, contra 380.111 do ano 2000.

Para Bimes, os fatos mais importantes do torneio deste ano foram a derrota da francesa Amélie Mauresmo no início da competição e a partida em que o norte-americano Andy Roddick, de 18 anos, eliminou seu compatriota Michael Chang em uma disputa duríssima, que o garoto terminou mancando de cãibras.

A comissão de antidoping ontem esperava a contraprova de um jogador flagrado durante o torneio. O nome estava sendo mantido em sigilo.


Carlos Ferreira Lima, enviado especial