Crise financeira faz Honda colocar equipe de F-1 à venda

05/12/2008

Folha de São Paulo

O esporte sofreu seu mais duro golpe desde o recrudescimento da crise financeira mundial. Na F-1. Numa marca tradicional, com história de sucesso, de boas lembranças para o Brasil e com o quarto maior investimento deste ano. A Honda.

Atolada em resultados negativos, a montadora japonesa colocou à venda sua equipe na categoria máxima do automobilismo. Caso não apareça um comprador até o Natal, fechará as portas, deixando o campeonato com apenas nove equipes, menor quórum desde 1969, quando sete times alinharam.

A decisão afeta diretamente dois pilotos brasileiros, Rubens Barrichello e Bruno Senna, além da Petrobras, que faria em 2009 sua primeira temporada como fornecedora do time, após romper com a Williams.

O anúncio oficial aconteceria na madrugada de hoje, início de tarde de sexta-feira no Japão.

O primeiro efeito prático deve ser o cancelamento dos testes marcados para a semana que vem, em Jerez de la Frontera, na Espanha. O segundo, a debandada de funcionários.

Equipes rivais relatam estar recebendo, aos montes, currículos de executivos, engenheiros e mecânicos da Honda. Cerca de 300 pessoas trabalham na operação da montadora japonesa na F-1, cuja sede, por razões de logística, fica na Inglaterra, na região de Silverstone.

A reportagem apurou que entre os potenciais compradores, está uma companhia aérea, que já havia fechado com a equipe um contrato de patrocínio para 2009. A Honda pode atuar apenas como vendedora de motores --usando ou não a marca.

Nas últimas semanas, a montadora acumulou más notícias.

No fim de novembro, anunciou férias coletivas de 50 dias para os operários de sua fábrica de carros de passeio em Swindon, na Inglaterra, e congelou a expansão de uma linha de montagem na Turquia. Anteontem, revelou queda de 32% nas vendas do mês passado nos EUA, em comparação com o mesmo mês de 2007.

Nesse contexto tão negativo, a F-1 tornou-se como um luxo dispendioso. Principalmente diante dos resultados pífios obtidos nas últimas temporadas.

Neste ano, a equipe foi a quarta colocada em gastos, com US$ 398,1 milhões, cerca de R$ 982,7 milhões em valores atuais. A recordista foi a também japonesa Toyota, com US$ 445,6 milhões, seguida por McLaren e Ferrari. Mas, enquanto estas disputaram o título e sua maior concorrente terminou o Mundial em quinto, a Honda passou o Mundial freqüentando o fundo do grid e terminou só em nono lugar.

Um desfecho melancólico para uma marca que tentava, pela segunda vez, emplacar como equipe na F-1. Na primeira experiência, nos anos 60, a Honda obteve razoável sucesso. Agora, desde 2006, quando comprou a antiga BAR, só colecionou quedas e fracassos.

Seu único momento de glória foi a vitória de Jenson Button, em 2006, no GP da Hungria.

História bem diferente aconteceu quando a Honda atuou apenas como fornecedora de motores, principalmente de meados dos 80 até início dos 90. Como parceira de Williams e McLaren, a empresa japonesa conquistou seis Mundiais de Construtores. Também registrou vitórias com a Lotus.

No Brasil, a marca tornou-se especialmente célebre por ter empurrado Ayrton Senna em seus primeiros pódios na categoria e na conquista de seus três campeonatos.

Foi também com a Honda que Nelson Piquet conquistou seu último título na categoria, na temporada de 1987.