Prefeitura cria espaço para população acompanhar a Olimpíada-08

MARINA NOVAES
Colaboração para a Folha Online

01/05/2008

Faltando menos de 100 dias para os Jogos Olímpicos de Pequim, na China, a prefeitura de São Paulo anunciou a criação de um espaço público para o acompanhamento da Olimpíada: a Casa de Beijing, que funcionará 24 horas por dia, entre os dias 8 e 24 de agosto, no Memorial da América Latina.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira, durante a Campanha 100 Dias, evento oficial para a contagem regressiva para os Jogos Olímpicos, que reuniu mais de 1,5 mil pessoas --segundo a Polícia Militar-- na praça da Liberdade.

"Hoje a comunidade chinesa e os brasileiros mostram a torcida que farão para que esta seja uma Olimpíada bem sucedida", afirmou o prefeito Gilberto Kassab (DEM), em meio à praça decorada com bandeiras chinesas, bonecos infláveis dos mascotes dos Jogos, além de dragões orientais e pessoas vestidas com roupas típicas.

O ministro Orlando Silva (Esportes) e o atleta Hugo Hoyama também participaram do evento.

Casa de Beijing

Com uma decoração focada na cultura chinesa, o complexo destinado ao acompanhamento dos Jogos terá treze ambientes independentes, com um local para transmissão ao vivo dos jogos --com telões, poltronas e pufes--, além de um espaço de alimentação, com comidas típicas da culinária chinesa.

Além do acompanhamento dos jogos, a Casa de Beijing deverá ser sede de workshops, exposições culturais, ateliês, demonstrações de lutas marciais e oficinas. Haverá ainda palestras sobre temas relacionais à Olimpíada, como doping, marketing esportivo e organização de eventos esportivos, entre outros.

De acordo com o secretário municipal de Esporte, Walter Feldman, a idéia surgiu para que as "pessoas possam acompanhar os Jogos Olímpicos com placares, debates e tudo o que estiver acontecendo no país". Segundo o secretário, foram investidos cerca de R$ 200 mil na criação do complexo.

Situação China x Tibete

Feldman comentou a polêmica em torno da tocha olímpica e as manifestações pró-Tibete que vêm acontecendo pelo mundo. Para o secretário, que se diz "amigo do dalai lama", é necessários diplomacia entre os dois países.

"Eu sou amigo do dalai lama, o recepcionei quando ele veio ao Brasil. Mas acho que isso [as manifestações] não pode comprometer, em hipótese nenhuma, a realização da Olimpíada", afirmou.

A tocha chegou na quarta a Hong Kong, a primeira parada para o revezamento em solo chinês após os tumultos pelo mundo. Pelo menos sete ativistas foram deportados. Pessoas que protestavam por direitos humanos foram mantidas bem distantes da tocha por policiais.