Adidas x Nike: guerra de gigantes

Sexta-feira, 05 de agosto de 2005

Estadão - Robson Morelli

Adidas x Nike: guerra de gigantes

São Paulo - Na guerra das marcas esportivas, quem ganha é o futebol. O anúncio da compra da Reebok pela Adidas por € 3,1 bilhões (R$ 8,9 bilhões), fortalece a empresa alemã na briga de mercado com a americana Nike, líder do segmento (faturamento anual perto de US$ 1,2 bilhão.

Com a Reebok sob seu domínio, a Adidas espera ganhar terreno na casa da rival, os EUA, onde a penetração da inglesa Reebok é grande: patrocina a NBA e a Liga de Futebol Americano. Só a NBA é transmitida para 212 países, em 42 idiomas. Estima-se que as três marcas juntas movimentem por ano a cifra de US$ 145 bilhões.

Mas é no futebol que Adidas-Reebok e Nike devem travar verdadeira guerra fria. Sabe-se, por exemplo, que Robinho, agora do Real Madrid, tem contrato com a Nike, mas já estaria sendo assediado pela Adidas, que também já teria feito uma oferta para assinar a camisa do Palmeiras, arquiinimigo do Corinthians, patrocinado pela Nike. O Palmeiras tem hoje vínculo com a Diadora.

Imaginando que as concorrentes produzam material de igual qualidade, o que fará a diferença será o elenco de garotos-propaganda. O jornal Meio&Mensagem divulgou em 2004 pesquisa em que as principais agências de marketing esportivo do Brasil, com participação de patrocinadores e emissoras de TV, elegeram as dez marcas mais valiosas do esporte nacional. Ronaldo, do Real Madrid, patrocinado pela Nike, apareceu em primeiro lugar. Para tentar concorrer com a Nike, a Adidas tem feito de Kaká, do Milan, sua arma no Brasil.

Há, ainda a briga das marcas nas seleções. A Nike decidiu apostar no futebol brasileiro no início dos anos 90. E entrou com força total. Em 1996, resolveu patrocinar a melhor seleção do mundo, a Brasileira, que já era tetracampeã. Pagou à CBF US$ 160 milhões por uma década, que acaba agora na Copa da Alemanha.

A Adidas também tem sob seu domínio seleções importantíssimas no cenário mundial, como a Alemanha e a França. Nas Copas de 1998 e de 2002, a duas disputas finais colocaram frente a frente Nike x Adidas. A marca norte-americana, nas duas ocasiões, esteve representada pelos jogadores do Brasil. Levou a melhor no Japão, três anos atrás, quando derrubou os alemães. Em 98, em Paris, a campeã foi a Adidas, estampada na camisa da França, que tinha o meia Zidane como seu maior expoente em campo.

Em 2006, na Alemanha, elas podem se enfrentar novamente. E quem ganha é o futebol.