Clubes já lucram com Libertadores

estadao.com.br Quarta-feira, 24 de dezembro de 2003

Eduardo Maluf


São Paulo - A Libertadores garantiu um Natal bem gordo a seus classificados. Valorizados, os representantes brasileiros na competição de 2004 vêm tendo sensível lucro e conseguindo, com certa facilidade, trazer reforços, renovar contratos e garimpar patrocinadores com esse importante cartão de apresentação.

"O fato de disputarmos a Libertadores tem ajudado", diz Alvimar de Oliveira Costa, presidente do Cruzeiro, que manteve a base da equipe. Seu principal feito foi prorrogar o vínculo do meia Alex, grande destaque na campanha do título brasileiro.

Alex renovou por seis meses, pois diz ter como principal objetivo no momento ganhar mais uma Libertadores - foi campeão em 1999, pelo Palmeiras. O técnico Vanderlei Luxemburgo também fica e busca sua primeira conquista.

Os cofres da Toca da Raposa ficarão mais cheios, com influência direta do torneio continental. O clube trocou de patrocinador. A italiana Fiat, que pagava cerca de R$ 1,8 milhão por ano, deu lugar à alemã Siemens, que dará mais de R$ 4 milhões por dois anos de acordo. A Topper, fornecedora de material esportivo, permanecerá na agremiação por mais dois anos, mas "com aumento substancial" nos valores, segundo contou Alvimar. Os investidores têm consciência de que, em 2004, a visibilidade será bem maior.

O São Paulo, então, comemora grande valorização. Seu contrato com a LG, multinacional sul-coreana, lhe rendeu, na atual temporada, aproximadamente R$ 7 milhões. A empresa de eletroeletrônicos ofereceu, agora, mais de R$ 9 milhões para se manter como patrocinadora da camisa tricolor, o que representa reajuste de 30%.

A LG já teve importante crescimento no País desde que virou parceira do São Paulo, em 2001, e prevê que pode evoluir ainda mais. A Libertadores deverá lhe dar retorno de mídia mais expressivo.

Briga por espaço - Os coreanos se mexeram rapidamente depois do assédio da Siemens ao clube paulista. Os alemães propuseram pagar cerca de R$ 8 milhões por ano e chegaram a cogitar a possibilidade de ajudar na contratação de um reforço de peso. A definição do patrocinador deverá ocorrer nos próximos dias. "Quem mais saiu ganhando com essas negociações foi o São Paulo", ressalta Eduardo Morato, diretor-executivo de Marketing.

O São Paulo se reforçou, nas últimas semanas, com seis jogadores - alguns deles eram pretendidos por outras agremiações, como o atacante Grafite. O volante Tinga, que está deixando o Grêmio, interessa, mas está na mira também do Corinthians. O atleta não esconde que, se as propostas forem parecidas, a chance de disputar a Libertadores pesaria bastante em sua decisão.

Os dirigentes são-paulinos ainda tentaram levar Rivaldo para o Morumbi, mas, na terça-feira, após reunião com seu empresário, Carlos Arini, desistiram da transação. Nem sequer encaminharam uma oferta. "Não vamos fazer loucura, temos de ser responsáveis", justifica Juvenal Juvêncio, diretor de futebol.

O campeonato mais importante da América do Sul tem sido decisivo para que o Santos siga com seus principais astros em 2004, embora o goleiro Fábio Costa tenha se mudado para o Corinthians. Mas, no seu caso, um dos fatores preponderantes foi o desentendimento com a diretoria.

Robinho e Diego, que atraem a atenção da Europa, já avisaram que gostariam, antes de deixar a Vila Belmiro, de levantar o troféu da Libertadores. Diego, por exemplo, recebeu tentadora proposta do Tottenham Hotspurs, da Inglaterra, mas recusou. Acha que não é a hora ideal para deixar o futebol brasileiro.

O presidente Marcelo Teixeira anunciou, na terça-feira, que a Bombril permanecerá como patrocinadora da camisa santista no próximo ano, embora garanta ter sido procurado por "várias outras empresas". "Mas a união entre Santos e Bombril é pé-quente. Fomos, juntos, campeões brasileiros em 2002, vice-campeões da Libertadores e vice-campeões brasileiros em 2003", justifica.

O jovem time do São Caetano, fundado em 1989, vai para sua terceira Libertadores e, para buscar o título, corre atrás de reforços. Por enquanto, quatro foram contratados, mas outros devem chegar ao ABC, como o lateral-direito Anderson Lima, que está saindo do Grêmio. De acordo com os dirigentes, o que não falta é oferta de empresários, que tentam pôr seus jogadores no clube. A equipe virou excelente vitrine.

Não ao Japão - A grande preocupação da cúpula do Azulão era garantir a permanência do técnico Tite, importante personagem da boa campanha no Brasileiro. O objetivo foi alcançado esta semana. O treinador gaúcho assinou contrato por mais um ano, mas não fez questão de esconder que, se o São Caetano não tivesse se classificado para a Libertadores, dificilmente daria continuidade ao trabalho. Optaria pela J-League, que lhe fez oferta milionária. Seria mais um entre vários brasileiros - como Nelsinho Baptista e Toninho Cerezo - a dirigir times no Japão.

O Coritiba, que disputa pela segunda vez o torneio, festeja a chegada do experiente técnico Antônio Lopes. "A Libertadores pesou bastante, pois é uma competição de que qualquer treinador quer participar", diz Antônio Lopes.

O clube, que caiu bastante nas últimas rodadas do Brasileiro e mesmo assim conseguiu acabar na quinta posição, luta, agora, para reforçar o grupo. Edmundo é um dos nomes da lista, embora os dirigentes não confirmem a informação. Os paranaenses vão dar tamanha prioridade à competição que estudam disputar o Campeonato Estadual com equipe reserva.