Conquista pelo design

Robert Galbraith - MMonline - 03/11/2003

Olympikus quer atrair público consumidor jovem da América Latina e da Europa em ação criada pela DCS

Depois de consolidar sua imagem como fabricante de tênis de alta performance esportiva, a Olympikus lança domingo, dia 9, no break comercial do Fantástico, da Rede Globo, uma campanha para conquistar o público jovem também no quesito design. Para isso, a marca gaúcha tirou de cena os super atletas e convocou Bernardinho (técnico da seleção brasileira de vôlei), o ator Paulo Vilhena e a modelo carioca Paula Orsini. No filme "Street volley", de 75 segundos, criado pela DCS e produzido pela Zero Filmes, os três divertem-se jogando vôlei pelas paisagens do Rio de Janeiro sem deixar a bola cair, estrategicamente calçados com vistosos tênis Olympikus. O filme transcorre em ritmo de clip musical. "Cada um vai jogando vôlei de seu jeito sob os comandos de Bernardinho. Num dado momento, Vilhena leva bronca do treinador por usar o pé", antecipa o diretor de criação da DCS, Régis ­Montagna.

Segundo o diretor de marketing da Olympikus, Paulo Ricardo Rosa Santana, a nova comunicação não visa reposicionamento, mas ampliação do foco de atuação da empresa. "Temos uma relação antiga com o Bernardinho por nossa história no vôlei. O Paulo Vilhena foi apontado em pesquisas como uma referência para os jovens, enquanto a Paula Orsini é uma modelo muito envolvida com esporte, apesar de não ser esportista profissional", explica. Ele revela que o comercial, com versões de 60 e 30 segundos, será veiculado em todos os países da América Latina que recebem o sinal da ESPN. Também estão previstas inserções na Europa, a começar por República Tcheca, onde há uma distribuidora, e Grécia, na qual marca já tem boa presença, segundo o diretor da empresa.

"A idéia é associar os valores de performance com um design atraente. Temos que cativar os jovens, que são hoje os grandes consumidores de tênis", explica. Para o executivo, o filme é um marco para a Olympikus porque mostra todas as propriedades da marca, além de divulgar o Rio de Janeiro e o Brasil. "Os modelos de tênis usados na peça têm mais apelo de moda do que de tecnologia. O tênis de consumo não é o de alta performance, mas estes dão credibilidade ao tênis de design. Quebramos, assim, o paradigma de sermos só performance", diz Paulo Ricardo.

A iniciativa de arrojar no design teve início este ano, quando a companhia firmou parceria com o estilista Alexandre Herchcovitch, que assinou o design de todos os uniformes da delegação brasileira que foi aos jogos Pan-Americanos de Santo Domingo (República Dominicana), em agosto e que irá à Olimpíada de Atenas no ano que vem. A comercialização destes uniformes brasileiros prevê o pagamento de royalties ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB). A empresa exporta hoje para 25 países e acredita que o vínculo com o COB, como fornecedor oficial de material esportivo, é o melhor caminho para ampliar tanto o mercado doméstico quanto o externo. A marca espera fechar este ano com faturamento de cerca de R$ 300 milhões, um crescimento em torno de 15% em relação a 2002.