Moda esportiva produz 580 milhões de peças


Rhodia investe em parcerias na moda esportiva

Panorama Brasil - Daniela Nogueira - 30/06/2003

Sete indústrias têxteis firmaram parceria com a Rhodia para produzir tecidos e roupas com fios de última geração para atender às novas demandas do público que pratica esportes. Acreditando no potencial do setor esportivo, que produz anualmente 580 milhões de peças, cerca de 10% de toda a produção do mercado têxtil brasileiro, a Rhodia acaba de lançar etiqueta exclusiva para o setor, a Amni Actsystem. Em parceria com a Rhodia, malhas tecnológicas e de alta performance estão sendo desenvolvidas pela Affiniti-Berlan, Diklatex e Douat e tecidos com a Jacyra, Jet Fio e Jauense. Marcas como a Track & Field, Reebok, Adidas, Kappa, Fit, PA Clube e Adventure Gears já estão sendo produzidas com esta tecnologia. A tecelagem Jet Fio, de Nova Odessa, no interior paulista, acaba de investir US$ 900 mil em 18 teares japoneses com jato de ar para dar conta dos pedidos de clientes. Segundo o diretor comercial Ângelo Marcos Marusso, o investimento vai aumentar em 50% a produção.

Sete indústrias têxteis firmaram parceria com a Rhodia para produzir tecidos e roupas com fios de última geração para atender às novas demandas específicas do público que pratica esportes. Acreditando no potencial do setor esportivo que produz anualmente 580 milhões de peças, representando cerca de 10% de toda a produção do mercado têxtil brasileiro, a Rhodia lançou etiqueta exclusiva para o setor, a Amni Actsystem.

A etiqueta foi lançada na 1ª Surf & Beach Tex Preview, que terminou sexta-feira em São Paulo. A versatilidade do nylon é aposta da indústria para atender a este mercado. De acordo com o gerente de marketing da Rhodia, José da Conceição Padeiro, a nova etiqueta vem de encontro com as expectativas do setor que sempre procura inovações.

Segundo ele, o nylon agrega tecnologia, resistência e durabilidade nas peças. O fio impede a proliferação de bactérias causadoras de odores, facilita a transpiração e troca térmica e ainda protege contra a ação nociva dos raios solares UVA e UVB. "Além disso, a mistura com outros fios, como o algodão e o elastano, permite uma maior elasticidade do tecido", afirma. Hoje a Rhodia responde por 40% da produção de nylon no País, com 30 mil toneladas por ano, de acordo com Padeiro. O segmento esportivo é uma das apostas da indústria para este ano. O objetivo da Rhodia é atingir até o final do ano um milhão de peças no mercado com a nova etiqueta esportiva. Para o final de 2002, a meta é de 2,5 milhões de peças. Para alcançar estes números a Rhodia está investindo US$ 1,5 milhão que inclui ações de marketing direto, participações em eventos, patrocínios e parcerias.

Em parceria com a Rhodia, as malhas tecnológicas e de alta performance estão sendo desenvolvidas pela Affiniti-Berlan, Diklatex e Douat e tecidos com a Jacyra, Jet Fio e Jauense. Marcas como a Track & Field, Reebok, Adidas, Kappa, Fit, PA Clube e Adventure Gears já estão sendo produzidas com esta tecnologia.

Confecção

A Fazendo Onda é uma das 48 confecções homologadas da Rhodia para confecção com fios de nylon. Dona da marca Adventure Gears de roupas para esportes radicais como rafting, escalada e paraquedismo, a confecção também incorporou a tecnologia nas coleções fitness.

De acordo com a diretora Socorro Machado, a matéria-prima agregou valor às roupas produzidas. "Hoje já exportamos 10% da nossa produção, de 20 mil peças por mês". O uso de fios tecnológicos também proporcionou a entrada da confecção em cinco lojas da rede de academias Bio Ritmo, em São Paulo.

A Fazendo Onda registrou crescimento de 10% no primeiro semestre do ano, em relação a 2002 e tem expectativa de fechar 2003 com um acréscimo de 15% nas vendas em comparação ao ano anterior.

Malharia

A Affiniti Berlan, tradicional malharia do segmento feminino com 50 anos de mercado, resolveu apostar na moda esportiva há um ano. "O cuidado com o corpo é uma tendência mundial que saiu das academias para as ruas", diz a gerente de exportação Vera Costa. Hoje, a moda fitness já é a principal atividade da empresa que atende clientes como Adidas e Track & Field.

"O resultado da mistura de fios como o nylon e a viscose possibilita uma roupa extremamente confortável", diz a gerente. A mudança de estratégia da indústria também abriu novos mercados. "Hoje exportamos 25% da nossa produção que está em torno de 150 toneladas por mês", diz. Para atender os pedidos a confecção acaba de comprar um tear circular da Alemanha, que vai proporcionar um aumento de 20% na produção.

Tecelagens

A tecelagem Jet Fio, de Nova Odessa, no interior paulista, acaba de investir US$ 900 mil em 18 teares japoneses com jato de ar para dar conta dos pedidos de clientes como a Kappa e Quicksilver.

De acordo com o diretor comercial Ângelo Marcos Marusso, o investimento vai aumentar em 50% a produção da tecelagem que hoje é de 600 mil metros lineares por mês. Segundo Marusso, a empresa foi criada há 10 anos para atender o mercado esportivo, que segundo ele ainda é pouco explorado.

A Tecelagem Jauense tem intensificado a produção de tecidos voltados ao segmento esportivo nos últimos anos, segundo a coordenadora de moda, Tânia André. A indústria produz tecidos de algodão e nylon para confecções como a Hang Loose, Nico Boco, entre outras.

"Hoje cerca de 25% da produção da Jauense de 1,2 milhão de metros quadrados por mês é voltada para este segmento", afirma a coordenadora.