Copa no Brasil: só vantagens

Caminhão da Nike combate pirataria

Wladimir Miranda - O estado de São Paulo - (11/03/2003)


São Paulo - A idéia do Departamento de Marketing do Corinthians de colocar um caminhão com produtos licenciados do clube em frente ao Pacaembu no jogo de hoje, provocou muita curiosidade, mas o resultado prático foi pífio. Poucas vendas foram feitas. A loja móvel tinha camisas oficiais da Nike - fabricante dos uniformes do clube - canetas, toalhas, agendas, porta cds, baldes de gelo, chaveiros e edredons. O objetivo é claro: combater a pirataria.

Porém, a iniciativa esbarrou num velho problema: o preço alto, principalmente das camisas. A camisa oficial do clube estava sendo vendida no caminhão por R$ 99,90. Mesmo preço que o torcedor paga nas lojas de materiais esportivos. Das 14 horas até o início do jogo, foram vendidas 20 camisas e 10 meiões. Resultado muito aquém do que era aguardado pelos dirigentes do clube e seus patrocinadores.

Principalmente porque foi montada uma infra estrutura para facilitar as compras, com os pagamentos podendo ser feitos com cartões de crédito ou débito.

O comerciante Edson Camargo não deu bola para os preços altos e gastou R$ 156,00. Comprou uma camisa, um balde de gelo e uma necessaire para a filha. Mas garante que não vê diferença entre os produtos ´pirateados´ e os oficiais. "É tudo igual".

Eduardo Rosemberg, da Roxos e Doentes - loja de material esportivo que participou do empreendimento, concorda com o torcedor e vê semelhanças entre a camisa que é vendida pelos camelôs e os produtos oficiais.

"Quem não conhece, não vê a diferença", avisa.

A poucos metros de distância da Praça Charles Muller - onde estava o caminhão - os camelôs faziam a festa. "Estou vendendo normalmente. Já vendi 30 camisas", disse Alexandre Pereira da Silva, que usava um varal para exibir seus produtos falsificados.

"Uma vendedora que não quis se identificar, nem percebeu que o caminhão da Nike estava por perto.

"Costumo vender mais nos finais das partidas, dependendo do resultado do jogo, é claro. Se o Corinthians ganhar bem, vendo o que quero.

Caminhão da Nike? O que é isso? Se você não fala eu nem ficaria sabendo. Você acha que alguém vai pagar quase R$ 100,00 por uma camisa? Quem tem dinheiro para isto?", questionou.

Indiferente às ironias dos camelôs, os idealizadores da loja móvel pretendem repetir a promoção. "Vamos montar a loja móvel também em alguns treinos do Corinthians no Parque São Jorge. A idéia é facilitar ao máximo para os torcedores. Tudo que pudermos fazer para coibir a ação dos falsificadores nós vamos fazer", avisa Eduardo Rosemberg.