F-1: Gisele pode dar a bandeirada

F-1: Gisele pode dar a bandeirada

25/03/2003 Estadao.com.br


São Paulo - Gisele Bündchen, a modelo mais famosa do mundo, foi convidada para dar a bandeirada ao primeiro piloto que cruzar a linha de chegada do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, no próximo dia 6, em Interlagos. A resposta da brasileira ainda depende de sua agenda. No ano passado, a chegada foi um fiasco: Pelé se distraiu com a torcida e deixou de balançar a quadriculada para o alemão Michael Schumacher, da Ferrari, vencedor da prova.

O convite a Gisele ainda será oficializado. “O que ocorreu foi que um possível cliente do GP, a quem foi oferecida uma área privilegiada dos boxes, cogitou de a Gisele ser sua convidada para dar a bandeirada. Mas oficialmente a organização do GP ainda não fez nenhum convite”, disse nesta terça-feira Monica Monteiro, diretora da AMG Marketing Esportivo, que também cuida dos interesses da modelo.

A proposta é de uma instituição financeira, que pagaria à modelo uma taxa por sua ‘personal appearance’ (aparição pessoal) – o que no caso de Gisele significa holofotes, bom retorno de mídia e milhares de dólares. Ela não desfila por menos de US$ 20 mil.

Aos 23 anos, milionária, normalmente com uma agenda apertada, Gisele ainda não decidiu se estará no Brasil dia 6 de abril. Anunciou recentemente que tiraria o primeiro semestre do ano para fazer as coisas de que mais gosta, entre as quais curtir familiares e amigos. Programou para o começo de abril uma viagem para a África do Sul com os pais.

Nos próximos seis meses Gisele cumprirá apenas seus contratos publicitários com a Grandene, Victoria Secret e Credicard.

Se Gisele for convidada oficialmente e aceitar a proposta, a expectativa é de que se saia melhor que a única celebridade internacional a quem foi oferecida a mesma função, no ano passado. Pelé confessou ter ficado perplexo com a beleza do evento e se distraiu a ponto de perder a passagem da Ferrari do alemão Michael Schumacher e da Williams de Ralph, irmão do pentacampeão mundial de F-1.

“Foi muito rápido. Nesse negócio aqui, se você piscar já foi. Quando vi, eles já tinham passado. Tive até de segurar mais forte a bandeira, que quase escapou por causa do deslocamento de ar”, contou Pelé logo depois do “cochilo”.

Na entrevista coletiva dos pilotos na prova do ano passado, Michael Schumacher disse, rindo: “Eu já tinha levantado o braço, comemorando a vitória, mas não vi a bandeira. Então pedi confirmação pelo rádio: ‘Ganhei mesmo?’”