Título transforma parceria com Santos em bom negócio


Título transforma parceria com Santos em bom negócio


José Rodrigues, Para o Valor, de Santos, 28 de dezembro de 2002

Os dribles dos atacantes Robinho e Diego fizeram o Santos Futebol Clube, em seis meses, sair do inferno para o céu financeiro. Ao conquistar o campeonato brasileiro de 2002, no domingo, ao derrotar o Corinthians por 3X2, depois de 18 anos de abstinência de títulos, o clube santista entra em 2003 valorizado para a disputa de cinco campeonatos. Somente na Taça Libertadores da América, o Santos pode arrecadar até R$ 10 milhões.
Além do clube, fundado em 1912 e que no ano passado concluiu o brasileiro em 15º lugar, os bons dividendos estão sendo colhidos pelos seus dois patrocinadores: a Umbro, que fornece o material esportivo, e a Bombril, na exposição das camisas. "Não imaginávamos isso, estamos muito felizes com a exposição. O futebol é mesmo uma caixinha de surpresas", comemora Fábio Avari, gerente de marketing da Bombril. A empresa fez uma pesquisa e concluiu que "o Santos é um clube praticamente sem rejeição". As empresas e o clube não revelam os valores dos contratos.
A marca Bom Bril passou a figurar nas camisas do Santos há apenas seis meses. Uma aposta que a empresa agora quer manter, usando uma cláusula contratual de prioridade na renovação.
Para Ivan Guimarães, gerente de marketing esportivo da Umbro, empresa que desde 1997 comercializa as camisas e toda a linha de vestuário do Santos, chegou o momento de colher os frutos. "Apostamos quatro anos para colher os frutos no último". Em novembro, as vendas de produtos com o logotipo do clube dobraram, em relação ao mesmo mês do ano passado. Como a Bombril, o contrato da Umbro termina neste mês. "O ideal será que assinemos um novo contrato de dois ou três anos", diz o executivo da Umbro. Uma camisa do Santos, com as marcas das duas patrocinadoras, estava sendo vendida, no fim de semana, por até R$ 90,00. Já os camelôs pediam de R$ 15,00 a R$ 20,00, pelo mesmo produto pirateado.
Marcelo Teixeira, presidente reeleito e em seu terceiro mandato no Santos, contabiliza os resultados de uma política de austeridade financeira que passou a imprimir no clube, há quase dois anos. A folha de pagamento em torno de R$ 3 milhões na época, baixou para cerca de R$ 500 mil mensais, com prioridade para os jogadores das divisões inferiores. Medalhões como Rincón e Edmundo foram substituídos por Elano, Preto, Robinho, Diego e outros. Do total de 27 atletas inscritos no elenco profissional, 19 são prata da casa.
São esses "garotos da vila", sob a direção técnica de Leão, que estão fazendo os cofres do clube engordar. Como cotas de televisão, por classificar-se entre os oito finalistas, o Santos recebeu R$ 250 mil, outros R$ 300 mil por ficar entre os quatro melhores e ontem embolsou mais R$ 800 mil pela liderança. As bilheterias das finais não foram menos generosas, com a média líquida de R$ 350 mil por partida. Somam-se a esses valores, os prêmios contratuais dos patrocinadores, Bombril e Umbro. As receitas variáveis deste final de ano, com cotas de TV e bilheterias, mais as premiações, devem ultrapassar a R$ 2 milhões, admite Dagoberto Fernando dos Santos, executivo das áreas de administração e finanças do Santos.
Administrador de empresas, com mestrado na FGV e ex-diretor do BankBoston, BMC e Barclays, homem de confiança de Teixeira, é o responsável pela implantação de uma gerência empresarial no clube. "Baseio-me no benchmarking do Manchester United, da Inglaterra, um clube que passou de falido para o mais rico do mundo", diz. Com 120 funcionários, 4 mil sócios pagantes e 7 mil remidos, o clube festeja a entrada de 100 novos sócios por semana, na atual fase. Dagoberto vê o fenômeno como "novos consumidores", explicando que o torcedor de um time mantém 100% de fidelidade durante toda a vida.
Com base nessa performance, Teixeira projeta reformas na Vila Belmiro, com aumento da capacidade de público de 25 mil para 35 mil lugares, construção de memorial, loja e atrações para visitantes, para explorar melhor o potencial da marca.