Prefeitura e Sócio-torcedor são esperanças para Franca


Por Marta Teixeira - www.gazetaesportiva.com.br


Sem patrocínio fechado e com sua presença na próxima edição do Campeonato Paulista ainda ameaçada, a equipe de Franca tem duas novas esperanças para manter o grupo profissional. A primeira delas é reativar a campanha do sócio-torcedor, mas desta vez ampliada. Ao mesmo tempo, a Prefeitura da cidade também resolveu colaborar. Ela não vai bancar o time, mas segundo a secretária de esportes, Júlia Cortez Barion Ribeiro, está atrás de um patrocinador para a equipe.

"A Prefeitura está negociando um apoio para nós", diz o presidente do clube, Nelson Elias Salomão. "Não podemos perder o time de maneira nenhuma", explica Júlia. "O prefeito (Gilmar Dominici) está tentando conseguir recursos, principalmente para saldar a dívida", completa a secretária.

A dívida de Franca, segundo ela, ultrapassa os R$ 100 mil. "Devemos mais ou menos dois meses de salários", complementa Salomão. O débito total inclui o salário do técnico Daniel Wattfy e três jogadores.

"A prioridade é colocar estes débitos em dia", antecipa a secretária. "Depois disso queremos encontrar um patrocinador". A participação da Prefeitura limita-se basicamente à procura do patrocínio. "Não podemos nem temos como assumir a equipe", afirma Júlia. "A nova lei de Responsabilidade Civil no esporte (medida provisória assinada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso na semana passada) inviabiliza a oferta de descontos nos impostos em troca dos investimentos de patrocínio", diz.

Para ela, isto foi positivo por um lado, "porque evita o abuso, mas também engessa um pouco a administração". "Vez ou outra podemos ajudar no transporte, mas não há como manter isto", completa.

Com os empresários, o prefeito busca não apenas o patrocínio único. "Estamos tentando reaver o patrocínio da Unimed (que terminou quando o time foi eliminado do Nacional), que era pequeno, mas ajudava", lembra a secretária.

Outra alternativa trabalhada é a criação de um pool de empresas para bancar as despesas. "Se cada um desse R$ 5 mil não pesaria para ninguém", completa a secretária. "Infelizmente, parece que quem não é do esporte não acredita muito em marketing esportivo", diz a Júlia, chamando a atenção para a presença constante da torcida nos jogos da equipe. "Passamos por muitas fases complicadas, mas nunca desta forma", lamenta.

Por causa do impasse, Salomão não sabe como será formado o grupo para a próxima temporada. "Ainda não conversamos com os jogadores. Tivemos um primeiro contato e eles querem ficar na equipe, mas temos que negociar ainda".

Mesmo com as dificuldades, Salomão está confiante. "Acho que agora a cidade vai acordar para isto. Estamos com uma diretoria pequena, porque existia um desânimo total, mas estamos trabalhando", afirma o presidente.

Jogos, carro e prêmios em troca de apoio

A idéia do sócio-torcedor não é nova. Na verdade, ela já estava em funcionamento no clube. A novidade é que agora também inclui o time de futebol da Francana, que disputa a série A-2, segunda divisão, do Campeonato Paulista, e dá prêmios.

O sócio-torcedor paga uma taxa mensal de R$ 30,00 ao clube e em contrapartida tem ingresso garantido para os jogos de futebol e basquete das duas equipes. "Além disso, ele concorre todos os meses ao sorteio de um carro e a oito prêmios de R$ 500,00", diz o presidente Salomão.

A carteirinha tem validade por um ano e o próximo sorteio dos prêmios será dia 29. Para saber como colaborar, basta ligar para (16) 3713-1000.