No Japão, bolas dão lucro de US$ 30 milhões

JORNAL DA TARDE - 29/05/2002

No Japão, bolas dão lucro de US$ 30 mi

Bastou o Japão ser confirmado como uma das sedes do Mundial 2002 para que o artigo mais desejado pelos atacantes das 32 seleções que participarão da competição caísse no gosto dos japoneses: a bola.

Nem camisas, nem chuteiras.

A procura por bolas animou o mercado esportivo japonês a tal ponto que, até o final do ano passado, as importações haviam crescido 43%. Os importadores não têm do que reclamar: os lucros chegaram a 3,6 bilhões de ienes (US$ 30 milhões).

O principal fornecedor de bolas do Japão é a China (39%), seguida da Tailândia e do Vietnã, divulgaram os órgãos competentes do porto de Nagoya, responsável pela entrada de 61% de toda a produção comprada no exterior.

O porto de Tóquio ocupa o segundo lugar no desembarque da mercadoria, com 12,5% do total importado.

A febre para comprar uma bola ou qualquer outro artigo esportivo relacionado ao Mundial só é comparável com o crescimento de vendas que se observou em 1993, quando foi criada a J-League (a liga japonesa de futebol profissional).